História da ARCPD

A Federação Portuguesa de Pesca Desportiva, criada em Lisboa, por um Grupo de pescadores pertencentes ao Clube Amadores de Pesca de Portugal no longínquo ano de 1947.

Constavam da lista homens importantes como, o iminente professor doutor catedrático cardiologista Dr. Arsénio Cordeiro, Jorge Brum do Canto, realizador cinematográfico e escritor, um dos introdutores do Achigã em Portugal, acompanhado por Carlos Moniz, escritor do Anuário de Pesca em Portugal, que se publicou durante vários anos no nosso País, Dr. João Jacquett, escritor, Dr. Carlos Guerra, economista, Artur Rodrigues (o pipi), estudioso e grande praticante novas artes, Engo. Frederico Burnay de Mendonça e Engo. Alberto Lima Bastos, dois nomes ligados à banca e transportes marítimos entre outros, que tudo deram na formação e princípios na pesca de competição.

A Associação Regional do Centro de Pesca Desportiva é formada no ano de 1948. O  seu nascimento deve-se à circunstancia de a Associação Regional do Norte de Pesca Desportiva ter dado esse passo no mesmo ano.

Perante a manifestação de colmatar o vazio até então sentido (a Federação não impunha essa formalidade – era ela própria que exercia o mando no País), ao surgir a Associação do Norte e perante essa situação, houve que separar esses dois Orgãos e nasce a A R C P D com Estatutos aprovados por despacho em 31 de Março e publicado no Diário do Governo, II Série, no 78 de 5 de Setembro de 1949.

A eleição de dirigentes é feita na Sede Social do CAP. Portugal (clube pioneiro no associativismo de pesca desportiva), na Rua do Salitre, 175 em Lisboa.

Os primeiros Clubes filiados foram; – O Clube de Amadores de Pesca de Portugal, seguindo-se o Sport União Sintrense, Associação Académica da Amadora, Sport Lisboa e Benfica, Sport Algés e Dafundo, Grupo Dramático e Sportivo de Cascais e o Clube Desportivo “Lisgés”; seguindo-se uma vasta série de Clubes de; Vila Franca, Alenquer, Torres Vedras, Tomar, Coimbra, Évora, Lagos, Leiria, Marinha Grande entre outros núcleos de locais nas zonas do Centro e Sul do País.

Por necessidade imperiosa de espaço e existir uma acção independente do Clube iniciador, a Associação ganha espaço na Rua dos Castelinhos, para no ano de 1953 se encontrar alojada na Rua de Santa Justa, 82.

No ano de 1952 existiam 49 Clubes filiados com um total de 618 atletas. Havendo no ano de 1953 o bonito número de 958 praticantes, portanto um aumento de 55% nesse mesmo ano, passando a ser oficialmente a maior Associação Regional do País. Na altura existiam três Associações Regionais.

Perante o facto concreto de ser imperativo quem coordenasse o panorama nacional éoutorgado à A R C P D os poderes federativos e directrizes da modalidade  –  que perante imensas dificuldades e falta de apoio logístico de vária ordem, foi por vezes numa total crise de dirigentes a ser contestada (às vezes com severidade e sem razão), por outras Associações que desejavam ardentemente o poder federativo.

Após passarem por esta casa, mui nobres e honestos elementos, os quais tudo fizeram e demonstraram com total dignidade a, Federação cria a sua própria Direcção no ano de 1981.

Podemos acrescentar os nomes dos primeiros Directores oficiais da ARCPD que se mantinham no exercício em 1953:

Presidente:                    Dr. Adriano Seabra Cancela
Vice – Presidente:          Dr. Ant¨®nio Oliveira e Costa
Secretário:                     Engo. Manuel Paulo Roldão
Secretario/Adjunto         Fernando Santos Monteiro
Tesoureiro:                    Dr. Carlos Guerra

Muitas e longas histórias haveria para serem contadas, por alguns homens que deram o seu contributo em tempo e com prejuízo dos seus familiares e amigos, também houve, quem por processos menos lícitos se tenha aproveitado da A R C P D, para praticar em seu favor actos menos dignos mas, desses não devem contar, para se fazer gala do desejável neste momento de reflexão e grandeza.

Será bom recordar a realização dos primeiros concursos organizados por Clubes iniciadores da pesca desportiva em Portugal.

Concurso de Pesca Desportiva de Sintra
Organizado pelo; Sport União Sintrense
Rio de Colares (ainda existirá?)
Concurso de Pesca Desportiva de Mar
Organização do Clube Desportivo ¡°Lisgés¡±
Cabo Espichel
Concurso Pesca Desportiva Alenquer
Organizado pelo:Sporting Clube de Alenquer
Lagoa do Bunhal – Ota
Concurso de Pesca Desportiva do Rio Nabão
Organização de Sporting Clube de Tomar

Seguindo-se nos anos de 1952/1953 as realizações do Grupo Desp. Azambuja, – Ginásio Clube de Tavira – Assoc. Educação Física e Desportiva na Praia de Santa Cruz – CAP de Alpiarça – Ginásio Sporting Clube Figeuirense (Figueira da Foz) e no mesmo ano o CAP. Portugal leva a efeito o seu concurso livre e o Sporting Clube das Caldas organiza o seu concurso na Foz do Arelho.

Em 1959, mais precisamente no dia 6 de Junho, foi promulgado o projecto de Regulamentação e Aplicação da Lei no 2097, sobre o fomento piscícola em águas interiores, promulgado por Américo de Deus R. Thomás e António de Oliveira Salazar, tendo como titulo:

Projecto de Regulamento da Lei da Pesca

Lei que é de incontestável forma clara (imposta por um grupo de mérito que, saliente-se, vinha à muito pedindo a revisão da Lei), aliás que todos desejavam e encerra diversas sugestões preciosas para a solução do gravíssimo problema que todos nós conhecemos bem demais e que perdura, infelizmente.

Saliente-se como uma das acções de principio, o afastamento até então, da justificação do defeso na pesca de ciprinídeos e situações incompreensíveis e incorrectas no panorama que se desejava aberto mas, com regras disciplinares que ora se justificavam, sem duvida necessárias.

Contava-se no entanto com absoluta prioridade no apoio e boa vontade e até muita compreensão na manifestação de se proceder à abolição de vez, com o defeso para a pesca de ciprinídeos  no nosso País. O que não acontece e não contempla este Projecto.

A nossa vizinha Espanha, em 1942 aboliu esse defeso, criando uma situação de actuação entre os seus pescadores, no respeito e observancia de suas posições na Lei, e mais ainda – até hoje – longos anos passados não se arrependeu de tal facto.

Mas isto, por enquanto, para nós, são foguetes à distancia. O que realmente nos rebenta na boca e se nos atravessa na goela, é o obsoleto e injustificado defeso para a pesca de ciprinídeos ¡­

            Palavras do passado que são actualidades ainda hoje, até quando? 

Nota importante a salientar: Esta proposta de alteração à Lei de bases na Pesca Desportiva, foi um trabalho conjunto entre a Direcção-Geral dos Serviços Florestais e Aquícolas e alguns elementos que componham a Direcção da A R C P D.

CURIOSIDADES

            No antigo Estatuto da ARCPD, existia o artigo 67o que estipulava¡
Os concorrentes aos concursos, são obrigados a entregar nas respectivas Associações as canas, carretos e demais material com que participam nas respectivas competições, afim de serem inspeccionadas e seladas, pelo menos com 4 dias de antecedência da realização das provas.

                Porque seria?

Moradas que a Associação teve, ao longo dos seus sessenta anos de actividade:

            Rua do Salitre, 175
Rua dos Castelinhos
Rua de Santa Justa, 82
Rua do Arco do Cego, 90
Rua Almeida Brandão,39
Rua Eça de Queiroz, 3
Rua Sociedade Farmacêutica, 56

Este foi um trabalho que através de algumas buscas por antigos papeís que ao longo dos anos fui arrecadando(criando quase um museu – alfarrabista – em minha casa) que me permite visionar estas antiguidades para que hoje se possa criar no site da ARCPD a história longínqua desta casa. O esforço valeu a pena.

Jaime Caldeira – Outubro de 2008